Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/11067/2849
Título: O objecto arquitectónico militar na geração e consolidação do espaço urbano e regeneração por novas oportunidades
Autor: Aboim, Rui Carlos dos Santos Bentes, 1962-
Orientador: Chaves, Mário João Alves, 1965-
Palavras-chave: Arquitectura militar
Arquitectura militar - Portugal - Lisboa
Planeamento urbano
Edifícios - Reforma para outrou uso
Data: 21-Fev-2017
Resumo: A estrutura e a arquitetura de muitas cidades europeias começaram a desenvolver-se durante a Idade Média ou mesmo mais cedo. O histórico Os núcleos urbanos rodeados pelos subúrbios tornaram-se gradualmente os centros das cidades contemporâneas e estão em constante evolução. São afetados pelas tendências de declínio e destruição; iniciativas e movimentos de preservação. Atualmente, tem-se como objetivo principal a criação de espaços singulares e ao mesmo tempo, significativos com vista a servir não só os residentes locais como os que visitam esses locais. Os edifícios e elementos históricos são representativos de espaços de socialização e, podem garantir um reforço de laço social. Objetivo central analisar o objeto arquitetónico militar na geração e consolidação do espaço urbano e regeneração por novas oportunidades. Propõe-se como questão de investigação: quais os impactos do objeto arquitetónico militar na geração e consolidação do espaço urbano e regeneração por novas oportunidades. Relacionado com a problemática entendeu-se responder às seguintes questões: Qual a importância do objeto arquitetónico militar devoluto ou desativado na mudança do espaço da cidade? Qual a importância da reabilitação do Forte do Livramento, Cidadela de Cascais/Fortaleza da Nossa Senhora da Luz e Farol Museu de Santa Marta na Reabilitação do Espaço? Tendo em conta as questões derivadas colocou-se como objetivos específicos: determinar os impactos do objeto arquitetónico militar devoluto ou desativado na geração e consolidação do espaço urbano, determinar qual a importância da Casa de Goa, Cidadela de Cascais e Farol Museu de Santa Marta na Reabilitação do Espaço; identificar as principais diferenças entres estes três casos de estudo. As atuais estruturas militares, bases, quartéis e outras estruturas militares querem-se bem afastadas das urbes, onde a função é totalmente adequada e o espaço não tem limite e de custo baixo, libertando então no interior das urbes vazios de dimensão por vezes consideráveis (ex. Quartel da Graça / Ajuda, Batalhão dos Serviços de transportes ( Campo Grande ); Ajuda; Lumiar ; Campolide; Fortaleza de Nossa Senhora da Luz / Cidadela de Cascais; Forte de Sta. Marta; etc, constituindo-se esses novos vazios em novas oportunidades de se criarem novas centralidades, mais valias para as populações que as habitam e trabalham.
Descrição: Dissertação de mestrado integrado em Arquitectura, Universidade Lusíada de Lisboa, 2016
Exame público realizado em 17 de Fevereiro de 2017
URI: http://hdl.handle.net/11067/2849
Tipo de Documento: Dissertação de Mestrado
Aparece nas colecções:[ULL-FAA] Dissertações

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
mia_rui_aboim_dissertacao.pdfDissertação23,29 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis Logotipo do Orcid 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.