Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/11067/2532
Título: A política externa portuguesa e a neutralidade peninsular na II Guerra Mundial (1939-1942)
Autor: Fernandes, João Paulo Santos de Castro, 1963-
Orientador: Mota, Carlos César Lima da Silva, 1948-
Palavras-chave: Guerra Mundial, 1939-1945 - Portugal
Guerra Mundial, 1939-1945 - Espanha
Neutralidade - Portugal
Neutralidade - Espanha
Portugal - Relações externas - 1933-1974
Espanha - Relações externas - 1939-1975
Data: 20-Jul-2016
Resumo: O foco deste trabalho é a importância da neutralidade, enquanto instrumento político, na História das relações internacionais peninsulares, durante a II Guerra Mundial. Quando terminou a Guerra Civil de Espanha o governo português, através do seu líder, Oliveira Salazar, perspectivou um aumento das tensões europeias, a ponto de se referir à eclosão de um conflito, a breve prazo. A questão que se colocaria a Portugal, e ao decisor político, seria o peso que os países do Eixo, aliados da Espanha na referida Guerra Civil, poderiam vir a exercer na decisão que a Espanha viesse a tomar, face à declaração de guerra. Pela lógica das alianças e das tendências ideológicas, Portugal, a não ser neutral, só poderia apoiar a Inglaterra, cumprindo o espírito da Aliança Luso-britânica. A Espanha, pelo seu alinhamento recente, a não ser neutral, só poderia deslocar-se para o eixo Roma-Berlim. Pretende-se demonstrar, ao longo deste trabalho, que a estratégia desenvolvida pelo Presidente do Conselho foi fundamental para garantir a não-entrada da Espanha, e de Portugal, na guerra e dissuadir os aliados de sucumbir à tentação de ocupar territórios peninsulares como alegada medida preventiva. Finalmente importa descodificar as posições que se foram tomando até à formação de um bloco ibérico, cuja construção, em Dezembro de 1942, na opinião de observadores internacionais, à época, se fez sob a égide do estado menor ou, numa lógica geopolítica, do pequeno estado. O objectivo acessório deste trabalho é que fique demonstrado que a neutralidade política de Portugal, enquadrada nas linhas tradicionais da sua política externa, foi o maior contributo que Portugal podia ter prestado à Grã-Bretanha, perante o desafio que a esta foi lançado pela Alemanha, em Setembro de 1939.
Descrição: Tese de doutoramento em Relações Internacionais, Universidade Lusíada de Lisboa, 2016
Exame público realizado em 18 de Julho de 2016
URI: http://hdl.handle.net/11067/2532
Tipo de Documento: Tese de Doutoramento
Aparece nas colecções:[ULL-FCHS] Teses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
dri_joao_fernandes_tese.pdfTese5,9 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis Logotipo do Orcid 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.