Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/11067/2202
Título: O novo paradigma da transmissibilidade das declarações processuais prestadas pelo arguido nas fases preliminares do processo
Autor: Tavares, Andreia Teixeira, 1987-
Orientador: Nogueira, José Artur Anes Duarte, 1954-
Palavras-chave: Defesa (Processo penal) - Portugal
Acção judicial - Portugal
Silêncio (Direito)
Data: 19-Abr-2016
Resumo: Na sequência da reforma ditada pela Lei n.º 20/2013, de 21 de Fevereiro ao Código de Processo Penal, propomo-nos a analisar uma das mais significativas mudanças no regime das declarações processuais do arguido que se verificou por força das alterações contidas neste diploma legal. O novo regime estabelece a possibilidade de valoração das declarações do arguido efetuadas perante Autoridade Judiciária, nas fases preliminares do processo, para a fase de audiência de julgamento. A modificação introduzida no artigo 357º, n.º 1, al. b) do Código de Processo Penal, assume uma relevância prática fundamental pelo facto de se encontrar relacionada com princípios basilares do processo penal português e com as garantias de defesa do arguido. Nesse sentido, analisaremos o respetivo sentido e alcance do novo regime das declarações processuais na atual conjuntura do processo penal, assim como o impacto que esta modificação despertou na comunidade jurídica. O novo regime restringiu a regra geral da intransmissibilidade das declarações do arguido, prestadas nas fases preliminares do processo, repercutindo-se determinantemente na estrutura acusatória do processo penal e no direito ao silêncio do arguido. Não se trata, assim, de uma alteração meramente pontual, mas sim de uma alteração de paradigma com implicações no plano jusprático. Por um lado, tendo por base a indignação e incompreensão dos cidadãos, relativamente ao sistema judicial. Por outro lado, pela necessidade de assegurar um sistema mais justo, dado que na perspetiva de alguns o sistema anterior implicava restrições à descoberta da verdade material, injustificadas e incompatíveis para um processo penal que tem como último e principal objetivo assegurar a paz social.
Descrição: Dissertação de mestrado em Direito, Universidade Lusíada de Lisboa, 2015
Exame público realizado em 15 de Abril de 2016
URI: http://hdl.handle.net/11067/2202
Tipo de Documento: Dissertação de Mestrado
Aparece nas colecções:[ULL-FD] Dissertações

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
md_andreia_tavares_dissertacao.pdfDissertação2,66 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis Logotipo do Orcid 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.