Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/11067/1448
Título: Contabilidade criativa, ética e responsabilidade social das empresas
Autor: Jesus, Tânia Alves de, 1977-
Orientador: Coelho, Maria Manuela Martins Saraiva Sarmento, 1952-
Duarte, Maria Manuela Ramos Fernandes Rebelo, 1948-
Palavras-chave: Contabilidade criativa
Contabilidade - Aspectos morais e éticos
Responsabilidade social das empresas
Data: 23-Fev-2015
Resumo: No contexto atual de grave crise económica e financeira emerge a urgência da integração da contabilidade e da responsabilidade social das empresas (RSE), enfatizando uma dimensão ética que desencadeie uma nova perspetiva no relato financeiro para que a contabilidade favoreça a recuperação económica. O presente estudo relaciona o relato financeiro com a ética, investigando a relação entre a contabilidade e a ética no contexto da harmonização contabilística internacional e entre a contabilidade criativa e a orientação ética e de RSE. Para o estudo foi construído um inquérito, utilizando-se uma amostra composta por 37 empresas cotadas na Euronext Lisboa e por 168 contabilistas. Com base nos dados das respostas obtidas ao inquérito, dos relatórios e contas, de sustentabilidade e de governo das empresas efetuou-se o tratamento e a análise estatística, com recurso ao programa estatístico Statistical Package for Social Sciences. Por um lado, são identificados três modelos, um para a contabilidade criativa com cinco dimensões, outro para a RSE com duas dimensões e um terceiro para a ética com quatro dimensões. Por outro lado, relaciona-se o empenho ético empresarial com o desempenho financeiro, nos períodos de 2008 a 2012. Conclui-se que os contabilistas que apresentam maior grau de desconforto ético perante práticas de fraude e de contabilidade criativa são os que mais consideram que a RSE é importante à sobrevivência das empresas a longo prazo. As empresas investem cada vez mais em ética mas existe ainda um caminho a percorrer ao nível da formação ética, verificando-se que 47% dos contabilistas se caraterizam pelas posições em que não se apercebem das implicações das suas intuições éticas. Constata-se, ainda, que empresas com melhor desempenho financeiro são as que mais investem de forma explícita e implícita em práticas empresariais éticas e socialmente responsáveis.
Descrição: Tese de doutoramento em Gestão, Universidade Lusíada de Lisboa, 2014
Exame público realizado em 13 de Fevereiro de 2015
URI: http://hdl.handle.net/11067/1448
Tipo de Documento: Tese de Doutoramento
Aparece nas colecções:[ULL-FCEE] Dissertações

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
dg_tania_jesus_tese.pdfTese3,71 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis Logotipo do Orcid 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.