Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/11067/865
Título: Da consciência do lugar em arquitectura - a poética do silêncio : o convento como arquétipo
Autor: Salvador, Tiago Gomes Monge, 1986-
Orientador: Braizinha, Joaquim José Ferrão de Oliveira, 1944-
Azevedo, Orlando Pedro Herculano Seixas de, 1963-
Palavras-chave: Lugar (Filosofia) na arquitectura
Conventos
Arquitectura religiosa
Data: 14-Abr-2014
Resumo: A consciência do lugar afirma-se imprescindível ao arquitecto. Entidade física e fenomenológica, o lugar é entendido como fundamento ontológico da arquitectura, princípio originário, poética fecunda do acto criador. É a crença no acto projectual como gesto reflexivo e emotivo, despoletado por um olhar revelador das propriedades em imanência no sítio, na procura do lugar. A obra de arquitectura é expressão indelével da vivência do seu autor. Cada obra edifica a sua teoria. Em posição antagónica ao ruído vigente, entende-se que uma posição de silêncio conduzirá a uma arquitectura de resultado silencioso. O silêncio é o modo como o espaço se faz sentir em quem o habita. O desenho afigura-se como um registo de sentido depurador que, na emoção que transporta, filtra a realidade, eliminando o supérfluo, num desvelar da essência e da substância, da verdade e do valor. Capta e transmite o silêncio como expressão de uma arquitectura de emoção. Um silêncio ao nível da ética, da poética e da estética. É a recusa da arquitectura subsidiária da mediatização, superando a hegemonia da visão e a consequente sobrevalorização da imagem numa manifesta vontade de pensar a arquitectura multisensorial, de íntima relação com os lugares e com quem os habita, na procura do belo e do sublime: a poética do silêncio. A experiência projectual vivida em Projecto III confere o mote: o feliz encontro com um lugar conventual a intervir desperta o interesse no convento como arquétipo da relação arquitectura-lugar-silêncio. Edifícios de vanguarda por excelência, os conventos instituíram novos mundos - estruturando o território, marcando a paisagem, transformando sítios, construindo lugar. E o lugar por eles criado é um lugar particular. Nascido do silêncio fecundo, traz à luz um outro silêncio: o da inefabilidade da experiência sensível que despoleta e a que conduz. É o edificar da aura, que os perpetua no tempo e afirma a sua irreprodutibilidade na relação com o lugar.
Descrição: Dissertação de mestrado integrado em Arquitectura, Universidade Lusíada de Lisboa, 2014
Exame público realizado em 2 de Abril de 2014
URI: http://hdl.handle.net/11067/865
Tipo de Documento: Dissertação de Mestrado
Aparece nas colecções:[ULL-FAA] Dissertações

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
mia_tiago_salvador_dissertacao.pdfDissertação12,18 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis Logotipo do Orcid 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.