Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/11067/3338
Título: O sentido da arquitectura : a necessidade de entender
Autor: Cunha, Daniella Maria Vieira Alves da, 1987-
Orientador: Cidrais, Álvaro, 1967-
Veiga, Maria de Fátima Silva Freire e, 1963-
Palavras-chave: Arquitectura - Filosofia
Crítica arquitectónica
Arquitectura e sociedade
Data: 26-Mai-2017
Resumo: A arquitectura surge como reflexo da sociedade, num diálogo eterno entre o agente criador e o utilizador, elemento fundamental e interveniente activo, cujas condutas condicionam e manipulam a “vida” e o “destino” da obra arquitectónica. Entendendo-se como um objecto social (Rodrigues, 2002, p. 75), uma acção em constante transformação, a arquitectura não é obra acabada, não se esgota no dia de inauguração, e esta consciência de metamorfose continuada, deverá tornar-se passível de ser transformada e configurada, numa premissa constante de (re)avaliação do papel do arquitecto contemporâneo. Numa (re)interpretação do que será construir arquitectura com sentido e do que se apreende de um „sentido da arquitectura‟, conclui-se que a mesma, enquanto obra, deverá ter como objectivo fulcral responder, primeiramente, às necessidades dos seus utilizadores e, apenas posteriormente, aos valores práticos, técnicos ou estéticos, segundo os quais tem sido criada e desenvolvida. Tendo como princípio as palavras de John Berger: “lo que sabemos o lo que creemos afecta al modo en que vemos las cosas” (2001, p. 13), para ter sentido, a obra tem de ser compreendida por quem a utiliza. Por conseguinte, procura-se um sentido condutor que, apesar de já abordado e investigado, vem, de algum modo, possibilitar uma abordagem de novos princípios, estímulos e consciência social, do que será fazer arquitectura com sentido. Como resposta à necessidade de entender (Zevi, 1986, p. 9), elevou-se o sentimento de pertença, identidade e reconhecimento mútuo, que nos remete para a praxis de construir “com” as pessoas, e não meramente “para” as pessoas (Carlo, 2005, p. 15). Deste modo, embora se tenha a consciência de que um sentido de cariz participativo não define o resultado de “sucesso” ou de “fracasso” de uma obra arquitectónica, o facto é que poderá ajudar, num “destino” e num entendimento positivo da mesma. A necessidade de entender repercute-se na consciência de que à arquitectura não bastará alterar o Tempo, ter-se-á igualmente de se alterar as vontades.
Descrição: Dissertação de mestrado integrado em Arquitectura, Universidade Lusíada de Lisboa, 2013
Exame público realizado em 17 de Julho de 2013
URI: http://hdl.handle.net/11067/3338
Tipo de Documento: Dissertação de Mestrado
Aparece nas colecções:[ULL-FAA] Dissertações

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
mia_daniella_cunha_dissertacao.pdfDissertação15,67 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis Logotipo do Orcid 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.