Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/11067/3118
Título: O despertar dos sentidos na Arquitectura: a curva e o seu potencial háptica
Autor: Sousa, Filipa Zarrais de
Orientador: Candela Suaréz, María
Palavras-chave: Arquitectura
Arquitectura sensorial
Teoria da arquitectura
Data: 4-Abr-2017
Resumo: Desenvolver arquitectura é mais que responder a questões de funcionamento, é responder as particularidades do lugar, das pessoas, e das circunstâncias e é responder a necessidades não só físicas, como mentais e de espirito. Assim é importante para um arquiteto refletir sobre questões que o podem ajudar a fazer uma melhor arquitectura para as pessoas. Acreditamos que a curva é uma dessas ferramentas que bem aplicada pode contribuir para a arquitectura. Para perceber como a curva pode afetar os sentidos, estudamos a sua essência fenomenológica na arquitetura, com enfase na experiência háptica, onde a arquitetura serve de cenário recorrível para um explorar de experiências. Estudamos o aparecimento da curva como ferramenta para a arquitetura ao longo da História, e o atual entrosamento da arquitetura com a neurociência que começa a ganhar força e a desempenhar um papel crucial no modo como os espaços são projetados. Recorremos a autores que têm escrito sobre o tema e a arquitetos que tentam desafiar o carácter estático da arquitetura, a estudos científicos que procuram explicar a relação da curva com o bem-estar físico e psicológico, e como esses estudos podem ser aplicados como conceitos em projetos arquitetónicos. Finalmente, aplicamos a teoria estudada e desenvolvida num ensaio projetual, onde a curva assume o papel principal. Assim acreditamos que ao explorar o dinamismo das formas curvas que evocam o movimento na procura de envolver o corpo e a mente, a experiência da forma construída desafiará os sentidos de quem visita os edifícios, numa completa hapticidade espacial.
Developing architecture is more than answering questions of functioning, is to respond to the particularities of place, people, and circumstances and is to respond to not only physical, but also mental and spiritual needs. So it is important for an architect to reflect on issues that can help make a better architecture for people. We believe that the curve is one of those tools that well applied can contribute to architecture. To understand how the curve can affect the senses, we study its phenomenological essence in architecture, with emphasis on haptic experience, where architecture serves as a viable scenario for an exploration of experiences. We study the emergence of the curve as a tool for architecture throughout history, and the current interrelationship of architecture with neuroscience that begins to gain strength and play a crucial role in the way spaces are designed. We have recourse to authors who have written on the subject and architects who try to challenge the static nature of architecture, to scientific studies that seek to explain the relationship of the curve to physical and psychological well-being, and how these studies can be applied as concepts in Architectural projects. Finally, we apply the theory studied and developed in a design essay, where the curve assumes the main role. Thus we believe that by exploring the dynamism of curved forms that evoke movement in seeking to envelop body and mind, the experience of the constructed form will challenge the senses of those who visit the buildings in complete spatial hapticity.
Descrição: Dissertação de mestrado em Arquitectura.
Exame público realizado em 24 de Março de 2017, às 16H30.
URI: http://hdl.handle.net/11067/3118
Tipo de Documento: Dissertação de Mestrado
Aparece nas colecções:[ULP-FAA] Dissertações

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Dissertação de mestrado.pdf7,5 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis Logotipo do Orcid 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.