Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/11067/2981
Título: Relógios de sol : a geometria do tempo
Autor: Pinto, Luís Filipe Gasparinho Marques
Orientador: Lima, João José de Faria Graça Afonso
Palavras-chave: Arquitectura
Medição do tempo
Relógios de sol
tipologias
Data: 21-Mar-2017
Resumo: No primeiro capitulo, reflectimos sobre a concepção e a medição do Tempo. Apesar dos múltiplos dispositivos empregues, tradicionalmente, na medição do tempo â?? como as ampulhetas, as velas e as lamparinas graduadas de azeite â?? durante mais de vinte séculos, o relógio de sol foi, na história da humanidade, o instrumento mais fiável da medição do tempo. O relógio mecânico e o relógio de sol foram contemporâneos e, de alguma forma, cúmplices, durante mais de cinco séculos da história europeia. Os cronómetros eram pouco fiáveis e, por isso, revelava-se absolutamente necessário acertar-se, sistematicamente, os relógios mecânicos pelos relógios de sol. Em 1 880, os irmãos Piene e Jacques Curie descobriram que uma lâmina de quartzo, colocada no vácuo, vibra 32 758 vezes por segundo. Esta descoberta esteve na origem da indústria do relógio a quartzo, decorridos 90 anos. Em 1 967, o conceito do "segundo" sofreu uma alteração profunda â?? deixou de ser uma fracção (1/86 400) do dia solar médio para passar a ser o período de tempo em que o átomo de césio 133 completa 9192631770 oscilações. O segundo capítulo, que constitui o corpo central da dissertação, é iniciado com a enumeração dos principais tipos de relógio de sol. Em cada subcapítulo, é feita a apresentação de um tipo específico de relógio de sol, descrevendo-se as suas características gerais, o seu funcionamento ao longo do dia e ao longo do ano e exemplifica-se como se determina as linhas de hora, por processos exclusivamente geométricos. No capítulo três, discorremos sobre a importância actual dos relógios de sol, do ponto de vista simbólico, histórico e científico. Ã? a hora solar que rege o ritmo da vida à superfície da Terra. O homem moderno é a única espécie que vive à margem dos ritmos da Natureza, emparedado num tempo meticulosamente constante, artificial e convencionado. Os relógios mecânicos, de quartzo ou atómicos, anunciam um tempo progressivamente mais digital e menos biológico, dissecado em fracções cada vez menores, em total ruptura com a hora solar e o ritmo natural terrestre. Pelo contrário, os relógios de sol, pela sua relação directa com o astro que rege a vida no nosso planeta, conferem ao tempo uma dimensão cósmica. Do ponto de vista histórico, analisando, criteriosamente, os instrumentos de medição do tempo a partir do movimento do Sol no firmamento, poderemos avaliar o nível de desenvolvimento científico dos respectivos povos, principalmente no que diz respeito à Astronomia e à Matemática â?? duas áreas estruturantes do conhecimento, sobretudo no passado. Do ponto de vista científico, o funcionamento, a concepção e a construção de relógios de sol permite-nos adquirir e consolidar conhecimentos, entre outras áreas, de astronomia, matemática, geometria, perspectiva e design. A conclusão principal a que chegámos é que os relógios de sol deixaram de ser úteis, no cumprimento restrito da sua função, ao homem contemporâneo, que dispõe de tecnologia cada vez mais sofisticada para medir o tempo, de acordo com regras que ele mesmo convenciona. Actualmente, não é o objecto, enquanto instrumento de medição do tempo, que nos fascina, mas sobretudo o objecto, enquanto lugar de confluência de saberes. Acima de tudo, interessa-nos o relógio de sol como símbolo cósmico e, a outro nível, como laboratório de matemática, trigonometria e geometria.
In the first chapter, the reader is invited to reflect upon the concept of Time as well upon the ways of measuring it. An increasingly effective organization of time presides to the scientific evolution of human societies. In spite of the numerous devices traditionally invented to measure time, such as sand clocks, candles and oil lamps â?? sundials have remained for over twenty centuries as the most reliable instrument in the history of mankind as far as time measuring is concerned. For more than five centuries Europe has witnessed the presence of both watches and sundials, interacting as accomplices. As the former were less reliable, it was necessary to constantly match the time on watches by sundials. In 1880, Pierre and Jacques Curie discovered that, once placed in vacuum, a blade of quartz vibrates 32 758 times per second. Ninety years later, this finding has led to the industry of quartz watches. The atomic clock uses the regular and natural movement of atoms of cesius, rubidium and hydrogen to measure time. In 1967, the concept of "second" has suffered a radical change â?? from a fraction of the 1/86 400 of the mean solar day to a period of time in which the 133 cesium atom describes 9 192 631 700 movements. The second chapter, being the core of this research, starts with a presentation of the main types of sundials. In each section, a specific sundial is introduced, by describing its general features, its functioning throughout both a day and a year along with an example of as to determine the hour lines, exclusively by geometrical procedures. The third chapter deals with the current importance of sundials from their symbolic, historical and scientific value. The solar lime regulates the rhythm of life on Earth. The modern man is the only living being that does not keep pace with Nature, walled by a conventional, artificial and meticulously constant concept of time. Quartz watches and atomic clocks announce the surrender of mankind to an increasingly digital as opposed to a non biological concept of time dissected into constantly smaller fractions in a disruptive process opposing solar time and the rhythm of Earth. Unlike sundiais, which by their direct connection with the Sun, grant a cosmic dimension to Time. From the historical point of view, ancient sundials allow us to ascertain the systems for time measurement in use by different civilizations. Conducting a criterious analysis to instruments used to measure time, as the position of the Sun in relation to the Earth, one will be able to determine the scientific standards of different people, regarding both Astronomy and Mathematics â?? two ancient pillars of knowledge. From a scientific perspective, sundials functions, design and construction allow us to gain and consolidate knowledges of Astronomy, Mathematics, Geometrics, Perspective, Design, among others. The conclusion arrived at is that sundials are no longer of use to the contemporary man in the specific function. Nowadays an increasingly sophisticated technoiogy to measure time is availabie, according to the rules set by man himself. At a personai level, the author is fascinated not so much by the object itself as an instrument to measure time, but as to its role as a meeting point of different areas of knowledge. Above all, he is driven by an interest in sundials while cosmic symbols and, at a different level, as a laboratory for Mathematics, Trigonometrics and Geometrics.
Descrição: Dissertação de mestrado em Arquitectura.
Exame público realizado em 20 de Maio de 2008 pelas 14h00.
URI: http://hdl.handle.net/11067/2981
Tipo de Documento: Dissertação de Mestrado
Aparece nas colecções:[ULP-FAA] Dissertações

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Dissertação de mestrado.pdf
  Restricted Access
625,54 kBAdobe PDFVer/Abrir Request a copy


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis Logotipo do Orcid 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.