Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/11067/2514
Título: Semiótica na arquitectura, a secessão na génese do modernismo
Autor: Santos, Tiago André Leitão Duarte, 1982-
Orientador: Braizinha, Joaquim, 1944-
Palavras-chave: Movimento moderno (Arquitectura)
Semiótica e arquitectura
Data: 4-Jul-2016
Resumo: Todos os avanços e recuos da história da compreensão humana sobre o seu mundo e como conseguiu codificar esse seu entendimento têm sofrido poucas alterações no seu percurso ao longo dos tempos e eras. Tendo a disciplina da Semiótica analisado a evolução dos símbolos ao longo da história, algo que teve grande incremento a partir do “nascimento” da historiologia, da arqueologia e mais tarde da antropologia, esta pode constatar que o poder do arquétipo, tem sido o esqueleto sobre o qual as renovações ou evoluções dos símbolos acontecem. Assim o valor semiótico dos símbolos apesar das suas mutações e renovações apresentam muitas vezes um carácter cristalizado e em muitos aspectos universalista, fruto da sua génese arquétipal e primitiva, espelho de uma consciência/inconsciência colectiva da razão humana ao longo das eras. Estão no entanto sempre sujeitos à impermanência do carácter perspéctico, próprio da individualidade dos homens e das suas sociedades. A arquitectura como elemento “Pai” de todas as outras artes durante muito tempo não foi excepção a este tipo de renovação semiológica. Passando por um “eterno” período de mutações cíclicas entre a semiologia da imagem e da forma vem encontrar no surgimento da Modernidade um possível rompimento com este ciclo e a consequente dissolução e crise de muitos dos valores semióticos, ou melhor a cristalização da “essência”. Tentaremos fazer uma reflexão sobre o período temporal do Modernismo e como foi génese de dois conflitos ao nível da definição dos valores semióticos quer ao nível do indivíduo quer das sociedades. Procuraremos recorrer a algumas vozes da arquitectura e da arte em geral, quer ao nível do seu discurso quer das suas criações, para melhor compreendermos o percurso semiológico ao longo deste período, e entender as ressonâncias do passado e reflexos no futuro em relação ao movimento modernista. No final fazemos uma reflexão sobre o estado actual da arquitectura, da arte e da opção de retorno ou abandono do ciclo semiótico universal que através da sua base arquétipa foi sempre a pauta, no geral, de todo o acto criador humano.
Descrição: Dissertação de mestrado integrado em Arquitectura, Universidade Lusíada de Lisboa, 2016
Exame público realizado em 27 de Junho de 2016
URI: http://hdl.handle.net/11067/2514
Tipo de Documento: Dissertação de Mestrado
Aparece nas colecções:[ULL-FAA] Dissertações

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
mia_tiago_santos_dissertacao.pdfDissertação7,52 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis Logotipo do Orcid 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.