Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/11067/134
Título: [hyNchustrutivismo] Homem - espaço - utopia : construtivismo russo revisitado
Autor: Ferreira, Nelson Manuel Bastos, 1981-
Orientador: Chaves, Mário João Alves, 1965-
Palavras-chave: Construtivismo (Arquitectura)
Construtivismo (Arquitectura) - Rússia (Federação)
Arquitectura e sociedade
Arquitectura moderna - Século 20
Data: 2012
Resumo: "hyNchustrutivismo" nasce de uma abordagem arquitectónica muito específica de todo este tema numa realidade de projecto de 5.º ano 2008/2009. Cova do Vapor e Trafaria compõem a extremidade poente do limite margem sul/Tejo que se confronta directamente com Lisboa. Uma zona cuja realidade abrange indústria, natureza protegida, história militar, uma comunidade parte envelhecida e pobre, parte clandestina, actividade piscatória como tradição, e uma incoerência urbana e social que cada vez mais dita as regras. Indissociáveis de áreas tão complexas como a política, a sociologia, as mais evidentes componentes da ciência e da arte, a filosofia, a economia, etc., face ao contexto actual, pode perceber-se como os mesmos princípios construtivistas poderiam ser postos em prática e com que objectivo. A arquitectura construtivista existiu no limiar do futuro e comprometeu-se com muito mais que meramente construir. Teve como fundamento entender as novas condições de vida, de modo a que através da criação de projectos em resposta conseguissem participar activamente na realização completa desse novo mundo. O verdadeiro sucesso construtivista foi a coexistência entre arquitectura, arte, sociedade, política e exército. Só foi possível pela concentricidade de novas possibilidades, novas ambições e nova tecnologia. A linguagem industrial, o gigantismo, o ferro, não assustavam, antes pelo contrário, ibertavam. Sonhava-se com o desenvolvimento do país e consequentemente com o das condições de vida. O contraste, tanto social como arquitectónico e territorial, que a estrutura da Silopor proporciona no local de intervenção pode ser contemplado, se portador de mais premissas para além da única actual: a função. Construtivismo permitiu essa relação e um pensar urbano sob a mesma. É, por isso, base do fio condutor desta dissertação. Hoje, hyNchustrutivismo não pretende dar resposta, mas uma perspectiva de reflexão com a convicção de uma prática actual. (Nelson Manuel Bastos Ferreira)
Descrição: Mestrado integrado em Arquitectura
Exame público realizado em 17 de Outubro de 2012
URI: http://hdl.handle.net/11067/134
Aparece nas colecções:[ULL-FAA] Dissertações

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
mia_nelson_ferreira_dissertacao.pdf98,23 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis Logotipo do Orcid 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.